Seguros serão vendidos em máquina automática e prateleira de comércio

A ideia do grupo BB Mapfre é atingir o grupo que não possui proteção, que chega a 95% das pessoas no caso de apólice residencial, através de estratégia de venda no varejo a partir de 2015

Pedro Garcia

Seguros estarão disponíveis em shopping, supermercados, lojas varejistas e até mesmo em metrôs
Seguros estarão disponíveis em shopping, supermercados, lojas varejistas e até mesmo em metrôs Foto: Dreamstime
São Paulo – Incluir o seguro nas compras do dia a dia. Foi com essa ideia que o grupo BB Mapfre lançou uma linha de apólices na forma de cartão presente (gift cards), para vendas em máquinas automáticas (vending machines) e em gôndolas de estabelecimentos comerciais.

Batizado de Família Protegida, o projeto passará a ser ofertado ao público em janeiro de 2015. Inicialmente, o grupo oferecerá somente o seguro residencial, em três valores – R$ 60, R$ 75 e R$ 85 -, que terão cobertura entre R$ 40 mil e R$ 80 mil.

O produto será embalado em caixas semelhantes às de DVD e deverá ser comercializado em supermercados, shoppings, lojas de varejo e até mesmo no metrô. Para ativar o seguro, caso ele seja adquirido em gôndolas (prateleiras dos estabelecimentos comerciais), basta raspar um cartão que virá dentro da caixa e colocar o código no site do grupo segurador.

No caso das vendings machines, onde as apólices sairão da máquina da mesma forma que chocolate ou refrigerante, o código de ativação está impresso no comprovante de pagamento – que poderá ser feito com cartão. A proteção é habilitada 24 horas depois de digitado o código.

Os seguros iniciais cobrirão incêndio, explosão, raio e queda de aeronave. Caso o consumidor queira ampliar a proteção para um valor maior, poderá entrar em contato com a seguradora ou um corretor que venda a apólice.

Se o projeto vingar, o BB Mapfre também pretende ampliar as linhas de apólices, nesse molde, para seguros de celular, animais de estimação, automóveis e viagens.

Desde ontem, o produto já passou a ser vendido para funcionários do Banco do Brasil e da Mapfre, em máquinas automáticas pilotos. O lançamento oficial ainda aguarda negociações do grupo com fornecedores e redes varejistas.

Aproximação do cliente

Segundo o presidente de seguros gerais do grupo BB Mapfre, Marcos Ferreira, o foco da nova linha de produtos da seguradora é a aproximação com o cliente. O grupo decidiu investir em um “mercado intocado”, com potencial a ser explorado.

Uma pesquisa do Instituto Datafolha aponta que 95% das residências no Brasil não possuem seguro, 58% dos automóveis não têm proteção e 88% das pessoas não possuem seguro de vida.

A ideia, de acordo com o diretor-geral de marketing do grupo, Gilberto Lourenço da Aparecida, é atingir justamente essa parcela da população que não possui seguro – que engloba todas as faixas de renda – em vez de batalhar pelo nicho de que já está protegido.

O seguro residencial, piloto do novo modelo de seguro, é vantajoso pelo preço-benefício, segundo Ferreira. “O consumidor acha que, como ele paga caro no seguro de automóvel, o da casa, por exemplo, vai ser ainda mais caro. Mas, geralmente, não é isso que acontece”, afirmou.

Ele explicou que, normalmente, ocorre o oposto, pois o índice de sinistralidade em residências é muito menor e, dificilmente, ocorrem sinistros parciais, como em caso de automóveis. De acordo com o grupo, o custo médio de um seguro residencial no Brasil é de R$ 180.

Processo de criação

Para chegar ao resultado apresentado ontem, o BB Mapfre investiu cerca de R$ 10 milhões ao longo de dois anos de desenvolvimento do projeto. Mais de 90% das áreas do grupo – como jurídico, atuaria, pesquisa, inteligência de mercado – foram envolvidas na criação, ao longo de mais de 1 mil horas de reuniões.

O seguro no novo molde irá somar aos seguros já oferecidos no varejo, cujas proteções mais comuns são a garantia estendida e o seguro prestamista, que garante o pagamento das prestações caso aconteça algo com o devedor.

“Com esse novo modelo, nós pretendemos ir até o cliente. Tangibilizar o seguro. Ampliar a possibilidade de oferta no setor varejista. Facilitar o entendimento das apólices, que têm uma áurea de complicação”, disse.

Informações

Nas embalagens e encarte interno, a seguradora irá informar, além das proteções oferecidas, o que a apólice contratada não cobre.

Nas vendings machines, a seguradora irá passar 11 vídeos, na tela da máquina, que ilustram os riscos cobertos e trazem outras informações em texto e símbolos. Nas gôndolas, os funcionários dos pontos ficarão a cargo da função e os clientes também receberão folhetos informativos.

Fonte: DCI

Close Menu
error: Content is protected !!
× Como posso te ajudar?